Pensão por Morte: Posso perder se eu me casar novamente?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
pensão por morte

Uma pergunta que escutamos com muita frequência é se ao se casar novamente o beneficiário de pensão por morte perde o direito a pensão.

Muitos segurados, ao dar prosseguimento à vida acabam encontrando novos parceiros e é muito normal querer firmar um novo compromisso através do casamento. Porém, o receio de perder o sustento faz com que muitos relacionamentos não sejam formalizados, ou seja, o casal acaba mantendo uma união de fato, por medo de perder a pensão caso haja o casamento.

Hoje vamos entender o ponto de vista legal sobre esta situação para que você possa identificar quais são os seus direitos.

O que diz a Legislação sobre o Tema?

A Lei nº 8.213/91 que dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social trata sobre o benefício da pensão por morte.

Sobre essa legislação é importante ressaltar que ela não proíbe que a pensão seja recebida após novo vínculo conjugal.

 Isso quer dizer que o beneficiário que recebe a pensão por morte do INSS pode se casar novamente sem prejuízo quando à pensão por morte.

Além disso, a súmula nº 170 do extinto Tribunal Federal de Recursos (TFR), diz que:

  • “…não se extingue a pensão previdenciária, se do novo casamento não resulta melhoria da situação econômico-financeira da viúva, de modo a tornar dispensável o benefício…”.

Isso quer dizer que além da lei previdenciária não prever o corte no benefício após novo casamento, o entendimento jurisprudencial também reforça o direito mencionando que não existe razão para cessar o pagamento do benefício, nos casos em que o casamento não ocasiona mudança significativa na renda do pensionista.

O INSS cortou minha pensão, o que fazer?

Como dissemos, não existe previsão legal para que o benefício de pensão por morte seja suspenso após novo casamento, contudo existem casos em que o INSS, por conta própria faz este corte.

Nós defendemos que a suspensão no pagamento do benefício é ilegal, por falta de previsão expressa e a situação fica ainda pior se o beneficiário da pensão por morte não teve uma melhora na renda mensal após o casamento.

Precisamos enxergar que a pensão serve para o sustento do beneficiário e casa-se não implica que o cônjuge possui renda suficiente para arcar com os custos da própria vida e também da vida do cônjuge.

Por tal razão, incoerente é a suspensão do benefício.

Caso isso ocorra, o beneficiário que teve a pensão suspensa poderá buscar o apoio de um Advogado Previdenciário para a análise do caso concreto e auxílio para alcançar seus direitos.

Gostou deste conteúdo? Acesse o site da Advocacia Rodrigo Moura para saber mais sobre direito previdenciário e conversar com um advogado especializado.

Sobre nós

Fundado em 2009, a Advocacia Rodrigo Moura construiu com sua dedicação uma ótima reputação no âmbito do direito, atendendo os clientes e ajudando em suas necessidades e oferecendo assessoria completa durante o período de processo.

Últimas Postagens

Siga nos

Fale conosco

DEIXE NOS TE AUXILIAR, PREENCHA O FORMULÁRIO ABAIXO E RECEBA AJUDA PROFISSIONAL

Precisa de auxílio profissional?

Conte com nossos profissionais.

Bem Vindo(a)! 

Continuamos atendendo com horário marcado.

Deixe seus dados e entraremos em contato: