Aposentadoria por Invalidez: Quem pode receber o Adicional de 25%?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Aposentadoria por Invalidez receber o Adicional

Você sabia que é possível receber 25% a mais na Aposentadoria por Invalidez? Continue a leitura deste post e conheça os seus direitos.

Aposentadoria por invalidez: Quem tem direito?

A aposentadoria por incapacidade permanente, antes chamada aposentadoria por invalidez, é um benefício previdenciário concedido nos casos em que o segurado sofreu acidente ou doença, seja do trabalho ou não, que o incapacitou de forma permanente.

Sobre esta incapacidade vale reforçar que ela deve ser total e permanente.

Isso quer dizer que o segurado não consegue executar o seu trabalho e também não pode ser readaptado em outra função. Além disso, o caráter permanente significa que não há qualquer previsão de melhora, sendo considerada uma situação inalterável.

Requisitos da Aposentadoria por Invalidez

Para receber este benefício existem algumas exigências, confira:

  • Cumprir carência mínima de 12 meses;
  • Ser um segurado do INSS (estar contribuindo);

Para os segurados que não estão contribuindo, devem estar no período de graça ou então recebendo algum benefício previdenciário, com exceção do Auxílio-Acidente.

  • Incapacidade total e permanente para o trabalho devido a doença ou acidente.

Vale lembrar que a carência não é exigida nos casos de incapacidade decorrente de acidente, seja ele de trabalho ou não.

Outra hipótese que dispensa a carência é quando o segurado sofre de alguma doença grave prevista na Portaria Interministerial MPAS/MS Nº 2.998/01.

Adicional de 25%. Entenda!

O acréscimo de 25% no valor do benefício é devido quando o segurado necessita de assistência permanente de outra pessoa, como, por exemplo, um cuidador.

Esta pessoa é responsável por realizar as atividades do dia a dia, ajudando na alimentação, no banho, locomoção e etc.

Para receber o adicional existem algumas condições como:

  • Doença que mantenha o segurado em leito;
  • Perda (ao menos) nove dedos das mãos;
  • Perda dos membros inferiores, acima dos pés, quando a prótese for impossível;
  • Perda de uma das mãos e de dois pés, mesmo que a prótese seja possível;
  • Perda de um membro superior e outro inferior, quando a prótese for impossível;
  • Paralisia dos dois membros superiores ou inferiores;
  • A cegueira completa;
  • Doença que gere grave perturbação da vida orgânica e social;
  • Ou qualquer Incapacidade permanente que impeça as atividades da vida diária.

Nesses casos quando há comprovação dessas situações é justificada a necessidade do acréscimo.

Além dessas hipóteses, outras situações que ensejam a dependência de um ajudante podem lhe dar direito ao benefício. Em caso de dúvidas, busque auxílio de um advogado previdenciário.

Gostou deste conteúdo? Acesse o site da Advocacia Rodrigo Moura para saber mais sobre direito previdenciário e conversar com um advogado especializado.

Sobre nós

Fundado em 2009, a Advocacia Rodrigo Moura construiu com sua dedicação uma ótima reputação no âmbito do direito, atendendo os clientes e ajudando em suas necessidades e oferecendo assessoria completa durante o período de processo.

Últimas Postagens

Siga nos

Fale conosco

DEIXE NOS TE AUXILIAR, PREENCHA O FORMULÁRIO ABAIXO E RECEBA AJUDA PROFISSIONAL

Precisa de auxílio profissional?

Conte com nossos profissionais.

Bem Vindo(a)! 

Continuamos atendendo com horário marcado.

Deixe seus dados e entraremos em contato: